Considerações Finais: Let's Fight Ghost




Olá dorameeeeeeeeeeeeeeiros!



Chegou ao fim esta semana Let's Fight Ghost, um dos, ou senão o melhor, doramas de 2016 até o momento, tá ali juntinho com "Signal" e até o final do ano, vou ter que decidir quem terá o lugar principal em meu coração, qual vou por no topo do post de melhores deste ano, mas como o ano ainda não acabou, e ainda vêm boas estreias por aí ainda, bom, pelo ou menos eu espero que sejam boas, ainda é cedo para eu sequer pensar no assunto, pois ainda tenho que dar uma olhada em alguns doramas chineses e japoneses que estrearam este ano e tenho muitas expectativas, minha vida de dorameira este ano está sendo bem proveitosa pelo ou menos isso né..., graças a Deus.

Let's Fight Ghost foi bom do início ao fim, não vou me estender com informações básicas e sobre o plot porque já tinha comentado sobre no post de "primeiras impressões" Leia AQUI e indagado que pela qualidade dos primeiros episódios, tinha tudo para ser muito bom, dito e feito, não li a webtoon, mas quem leu disse que ficou fiel, não sei se vou ler, pois apesar de ter amado o drama, não só para mim, mas para a galera que eu tive contato e que estava acompanhando também, achou o plot bem previsível, o que poderia ter sido diferente, na reta final, ficou no padraozão, e ao que me perece, a audiência curtiu.





Não tendo UM episódio ruim, morno ou mediano, Let's Fight foi alucinante do primeiro ao último episódio, mesmo quando as cenas de ação não estavam presentes, ainda sim prendiam a atenção. Como o andamento da trama foi bem dinâmica e colocou praticamente todos os pingos nos "is" não houve buracos, principalmente porque estava muito bem focada nos protagonistas Park Bong Pal( Ok TaecYeon), Kim Hyun Ji (Kim Soo Hyun) e Hye Sung( Kwon Yool), o que não quer dizer que os personagens coadjuvantes não fossem bem construídos, como no caso do monge Myung Chul (Kim Sang Ho) e na dupla de caça-fantasmas In Rang (David Lee) e Chun Sang (Kang Ki Young), eles não tinham histórias paralelas praticamente, mas é quase impossível não lembrar de cada cena em que estiverem presentes, pois o impacto e a necessidade deles lá, seja pra dar mais leveza em cenas de ação e mais aterrorizantes ou pra dar mais drama, gosto de doramas com poucos personagens, porém funcionais.




De longe a melhor coisa do drama, foi a química entre os personagens Hyun Ji e Bong Pal, a diferença de idade entre os dois atores na vida real não foi algo que pesou para que o casal fosse bem construído na trama, lógico que não dá pra esperar pegação ou algo do tipo, mesmo sendo um drama da tvN, que tem tradição de liberar cenas picantes, mas não era esse o foco de Let's Fight Ghost, aqui o casal cresce e amadurece junto, o companheirismo permanece ao longo do drama, mesmo quando rola algumas pequenas tensões as quais Hyun Ji e Bong Pal precisam ficar separados, mas ainda bem que o roteiro não perdeu muito tempo com isso, com dramatizações desnecessárias, quem gosta de assistir casal que engaja rápido, vai adorar este.





Não posso deixar de citar o vilão, um dos melhores que eu já vi, Hye Sung, interpretado por Kwon Yul, primeiro drama que vejo com ele, muito bom ator, me borrei de medo com ele algumas vezes, sem contar que o grande mistério da trama está a ele relacionado, já que sobre a Hyun Ji é meio que perceptível logo nos primeiros episódios.





Não tenho pontos negativos, se for pra ter um, é que poderia ter mais uns dois episódios, e pela quantidade de coisas exploradas na trama, dá pra rolar um spin off, um especial, séries sobre fantasmas nunca cansam , taí Supernatural indo para sua 12º temporada... Gente eu quero mais! Preciso!

Nota:9/10


Onde assistir: DramaFever (necessário conta premium)
Meteor Dramas (necessário cadastro)


E vocês o que acharam de Let's Fight Ghost? Já é um dos melhores ou melhor do ano? E quem ainda não assistiu, estão na vontade? Comente aí embaixo ^^




Por hoje vou ficando por aqui, já já volto com algumas primeiras impressões de dramas que comecei a assistir recentemente o/






[Resenha] Joseon Gunman

Olá! 

A resenha dessa vez é sobre um kdrama que vi em 2014 em andamento, e em 2015 revi. Uma resenha que fiz assim que o dorama foi finalizado, mas que é inédita no Blog das Dorameiras. Sobre Joseon Gunman, com meu oppa mais divo de todos, o melhor ator em minha opinião: Lee Jun Ki.

Comecemos pela sinopse. Feita por mim, pois aquelas disponíveis em wikis são as mesmas sempre, a sinopse oficial. Quero dar um toque mais pessoal.

Antes, algumas informações básicas e o cast principal (tudo retirado diretamente do DramaWiki):

Detalhes
  • Título original: 조선 총잡이 / Joseon Chongjapi
  • Também chamado de: The Chosun Shooter / Gunman in Joseon / The Joseon Shooter
  • Gênero: Histórico, melodrama, ação, romance, suspense
  • Episódios: 22
  • Emissora: KBS2
  • Período de exibição: de 25 de junho de 2014 a 04 de setembro de 2014
  • Dias de exibição: quarta e quinta-feira, às 22h

Main Cast
  • Lee Jun Ki como Park Yoon Kang / Hanjo
  • Nam Sang Mi como Jung Soo In
  • Jun Hye Bin como Choi Hye Won
  • Han Joo Wan como Kim Ho Kyung
  • Yoo Oh Sung como Choi Won Shin

Sinopse

Na Joseon da segunda metade do século 19, Park Yoon Kang é um jovem que gosta de se divertir com os amigos e aproveita a vida daquela que ele acredita ser a melhor maneira, com bebidas, mulheres e sem compromissos. Ele sabe manejar uma espada com maestria, pois aprendeu com seu pai, o último grande espadachim, Park Jin Han. Este é o chefe da guarda do Rei e a posição permite que Yoon Kang e sua irmã mais nova, Yoon Ha, tenham uma vida confortável.
Park Yoon Kang
Park Jin Han

Park Yoon Ha
O pano de fundo do drama é uma Joseon às vias de se modernizar, sendo gradativamente invadida pelo Iluminismo, ideais igualitários e todo tipo de invenções que já tinham chegado aos países do Ocidente e em alguns orientais, como o Japão. Contudo, certa classe de nobres não aceitava os pensamentos iluministas e revolucionários que tomavam as ruas e se aproximavam cada vez mais do palácio, ameaçando o poder da nobreza. Assim, um atirador misterioso começou a assassinar, um a um, os estudiosos eruditos que apregoavam a nova ideologia, com uma arma de fogo diferente e mais evoluída, em nada parecida com o mosquete e que não podia ser detida por armas como a espada e o arco e flecha.

Então, o pai do Yoon Kang, sob a ordem do Rei de descobrir a identidade do atirador, inicia uma busca intensa e, a seu fim, acaba por ser vencido por balas. Os nobres dão um jeito de fazê-lo, mesmo depois de morto, ser acusado de traição, para não serem descobertos como as mentes por trás do criminoso. Yoon Kang se torna filho de traidor, portanto também deve ser morto, e sua irmã, vendida como escrava, conforme as leis da época.

Em meio a lutas e lágrimas, ele consegue fugir, mas Yoon Ha é escravizada. Três anos depois, Yoon Kang retorna à Joseon como o japonês Hasegawa Hanjo. Agora, não mais um espadachim, mas alguém que domina uma arma de fogo como poucos. De dia, é um mercador do Japão e à noite se transforma em um atirador mascarado que busca vingar-se pela morte e a falsa acusação contra seu pai, assim como resgatar sua irmã.
Hasegawa Hanjo
Park Yoon Kang, o atirador
Os nobres que acusaram o chefe da guarda de traição ainda estão à solta e tentam exterminar qualquer foco de Iluminismo existente. O povo é constantemente oprimido pela diferença de classe que tornava os camponeses pobres miseráveis e sem direitos para nada, com a nobreza vivendo às suas custas. A questão que fica é: Park Yoon Kang buscará somente sua vingança pessoal ou poderá olhar para as necessidades do povo e acabar por tornar-se um novo herói popular?

Em meio a tudo isso, há o romance, que não podia faltar. Yoon Kang conhece Jung Soo In antes de se tornar um fugitivo. Os dois se apaixonam profundamente um pelo outro, e mesmo após três anos, com Soo In achando que ele estava morto, o amor não esmorece. Mas ele voltou como Hanjo e agora eles são completos estranhos, ao menos no exterior. Poderá o coração deles novamente se encontrar?
Park Yoon Kang e Jung Soo In
~.~
Sinopse feita, vamos ao que interessa. Minha opinião. Antes de mais nada, já informo que tendo a ser terrivelmente tendenciosa (uma pequena redundância, porque sim) quando o assunto é Lee Jun Ki-ssi. Oppa ♥

Pontos fortes: vááários! Nem sei qual é o ponto mais forte. Nem sei o que falar primeiro. Creio que, para mim, o ponto mais forte são as cenas de ação. Yoon Kang como espadachim, arqueiro, atirador, tanto faz, ele arrasa sempre! São cenas de tirar o fôlego, realistas ao extremo, super bem feitas. Alguns efeitos? Sim. Dublê uma hora ou outra? Não duvido. Mas o oppa não gosta de jogar todo seu trabalho nas costas dos outros. Ou seja: ele suou muito! Para quem já serviu o exército e lutou em todos os seus dramas (com exceção de um), ele está em ótima forma. Muito orgulho!

Outro ponto forte é o romance. Eu, como romântica inveterada, amei especialmente esta faceta do drama. Sim, o romance foi apenas uma parte do todo, desde o princípio não foi o foco da história (prefiro assim - dramas cujo tema central não é o romance). Não entrarei em detalhes para não estragar a história se porventura alguém ler isso daqui e se interessar em assistir.

Claro, há muitos outros pontos fortes. Só mesmo vendo... se eu listar todos aqui, vou acabar dando mais spoilers do que deveria.

Pontos fracos: Não há. Quer dizer, para um crítico ou alguém que não goste tanto de Jun Ki oppa, com certeza há, mas não para mim. Poderia dizer que o/a roteirista viajou um pouco no final, e mergulhou na História, o que não era absolutamente necessário. Eu amo História, desde os tempos de escola, mas há quem não gosta. Talvez, um drama de 20 episódios teria sido suficiente. Mas, desde o começo, tudo estava ligado à História. Claro que, como amante do tema, não desgostei, de forma alguma. Gostei muito, na verdade! Quero, agora, saber mais da História da Coreia.

Opinião geral: AMEI do começo ao fim! Todos os pontos bem ligados, nenhum nó que ficou por desfazer, nada incompleto, tudo onde devia estar. Amei o final, foi perfeito! Mortes e lágrimas... mas tudo se encaixou e cada acontecimento era necessário (e olha que muitos dramas ótimos, no decorrer da trama tendem a ter um final que desagrada muita gente, especialmente a mim). Além de todos os elogios que posso fazer sobre enredo, elenco, OST, figurino, fotografia, etc etc etc, a máxima sempre será: Lee Jun Ki ♥

Li alguns comentários negativos por aí, dizendo que o drama poderia ter apenas 16 episódios, que os escritores avacalharam a história quando misturaram a História em demasia, que o final foi hollywoodiano demais, enfim... cada um tem o direito de gostar ou não. Não nego que o fato de ver meu ator favorito ser criticado negativamente, ou seu trabalho (no caso, este drama) me irrita um pouco.

Só queria deixar claro que o elemento histórico esteve presente desde o início, quando colocaram lá o Rei Gojong e a Rainha Min. Com certeza os coreanos conhecem bem estes personagens, ou pelo menos são como nós, que sabemos quem foi o primeiro Imperador do Brasil (pois Gojong foi o primeiro imperador do Império da Coreia) e quem era sua consorte.

Para que não seja decepcionante, conhecer o mínimo da História pode ser útil. Alguns links da wikipedia, para um breve conhecimento, são válidos, para quem se interessar:
Sobre o Rei: https://en.wikipedia.org/wiki/Gojong_of_Korea (em inglês)
Sobre a Rainha: http://pt.wikipedia.org/wiki/Myeongseong_da_Coreia
Sobre o Império Coreano: http://pt.wikipedia.org/wiki/Imp%C3%A9rio_Coreano
Sobre o professor Kim Ok Kyung: http://en.wikipedia.org/wiki/Kim_Ok-gyun (em inglês)
Sobre o Golpe Gapsin e a Primeira Guerra Sino-Japonesa: http://pt.wikipedia.org/wiki/Primeira_Guerra_Sino-Japonesa#Golpe_de_Gapsin

OST: maravilhoso. Espetacular. Todas as nove músicas cantadas, e também as instrumentais. Minhas favoritas são: 
Wait

Resembles Tears


Nota: 10

Onde ver: online no DramaFever (legendas em inglês e português, exclusivo para usuários Premium)
download no Dramas Épicos (o blog deles foi fechado, mas voltará em breve)

SUPER RECOMENDO, especialmente para os amantes de dramas épicos e História, como eu~ e para todos que gostam tanto quanto eu de boa atuação. Este drama tem o que mais amo: romance, ação, História e Lee Jun Ki.

My *-*

ps: devido a uma importante prova de proficiência em inglês, me dedicarei aos estudos até o fim de janeiro de 2017 e virei aqui no Blog das Dorameiras uma vez por mês para publicar resenhas e comentários que já escrevi. Desculpem não postar novidades até lá - mas possivelmente farei uma resenha da um j-drama que estou acompanhando, assim que ele terminar).  

Enquanto isso...nos bastidores de My Sassy Girl

Quem será a protagonista do novo drama da SBS, My Sassy Girl?
Kim Joo Hyun, eu responderia há alguns dias atrás.

Agora já tenho minhas dúvidas, aparentemente a coisa toda de audição serviu para nada!


Nem tudo são flores nos bastidores desse drama, as fofocas correm soltas, e ninguém apareceu para explicar o que esta acontecendo.

Recapitulando para quem perdeu inicio dessa novela rs.
A produção do drama, My Sassy Girl, lançou o ator Joo Woon como protagonista da historia desde o inicio do projeto. Em seguida, promoveram uma audição aberta, amplamente divulgada para encontrar a “garota atrevida”, protagonista da historia. A atriz Kim Joo Hyun foi declarada a vencedora, entre 1.800 concorrentes, depois de varias rodadas de competições. Eis que, no inicio desse mês foi anunciado que a atriz Oh Yeon Seo estava sendo cortejada para personagem principal e a Kim Joo Hyn ficaria com segundo personagem principal. 

Eu fiquei tipo...hãaaa??

Segundo boatos fofoca bafônica, uma fonte afirmou que a SBS mexeu os pauzinhos para lançar uma atriz conhecida porque sentiram que seria arriscado demais lançarem o projeto com a Kim Joo Hyun, e que eles furtivamente buscaram uma estrela maior, sem nunca notificar a atriz, que por sua vez teria ficado chocada ao ser rebaixada para segundo plano depois de tanto esforço e dedicação. Depois de saber o que fizeram ela decidiu abandonar de vez o projeto. 

No entanto ainda não houve uma confirmação oficial sobre Oh Yeon Seo, porque SBS está sob críticas por fazer esse processo de audição totalmente inútil. Resumindo, nenhuma das duas atrizes apareceu na primeira leitura de roteiro. Uma porque abandou a produção (extremamente compreensível), a outra porque ainda não foi oficialmente titulada como a personagem principal.

E para tornar as coisas ainda mais confusas, a produção do drama e a SBS insistem em que "nada foi decidido ainda" e que o casting para a personagem principal ainda está no ar.

O drama baseado em um filme de 2001, com mesmo nome, se passa na era Joseon, será sobre o romance de uma princesa encrenqueira, e o frio Gyun Woo (Joo Won).
As filmagens começarão em setembro (sem a personagem principal??) E o drama vai ao ar em 2017.

Fonte: Dramabeans

Vamos beber...?

Quem assisti dramas à algum tempo já deve ter percebido que os coreanos gostam de virar o copo por um motivo ou outro. Que levante o dedo quem já viu algum k drama que não tenha uma, ou varias, cenas de personagens comendo e enchendo a cara de soju em um daquelas barraquinhas no meio da rua. E de praxe, não é rs.

Depois de duas bem recebidas temporadas de Let's Eat (Vamos comer), que nos deixava com água na boca ( e muita fome) em praticamente todas os episódios, a tvN lança agora o drama Drinking Solo, bebendo sozinho (tradução literal). 



O conceito do drama é relativamente simples, é sobre um grupo de pessoas que são solitarias e bebem sozinhas. Diretor é o Choi Kyoo Sik, mesmo de Let's Eat 2, por isso podemos esperar um enredo leve de personagens que estreitam laços de amor e amizade através da bebida.

Desta vez, o cenário é no distrito de Noryangjin em Seul, cheio de academias, professores e alunos que estudam para os exames da função pública. É uma área com o alojamento/dormitório, muitas vezes ocupado por estudantes que vivem em quartos apertados por causa da renda relativamente baixa.

Poucos dias para estreia do drama, a produção lançou cartazes e teasers de seus personagens principais, todos com mesmo slogan: “Hoje, vou beber sozinho novamente."


Jin Jung Seok (Ha Suk Jin) é um professor veterano que gosta de um estilo de "luxuoso beber”, como fica evidente no seu cartaz. Ele porta um copo de cristal e um licor de aparência cara.  Park Hana (Park Ha Sol), professora novata de personalidade alegre e positiva. Sua bebida de favorita é a cerveja.

Heang Jin Yi (Hwang Woo Seul Hye), é a instrutora sexy, cuja aparência faz com que seja a favorita entre os alunos. Sua bebida é o vinho.

Kim Ki Bum (Key do SHINee) rapaz de família rica, é despreocupado com o seu estatuto de estudante, esta no seu terceiro ano de preparação para o exame. Isso é um nítido contraste com Dong Young (Kim Dong Young) é um estudante de uma família pobre que vive uma existência miserável.

Trailer


Fonte: Dramabeans

Os cartazes enchem os olhos e prometem historias interessantes por trás de toda bebedeira. Claro que darei uma chance, mas fico preocupada se também teria vontade de beber após cada episódio rs.

Drinking Solo estreia dia 05 de setembro no lugar de Let's Fight Ghost.

De volta às trevas: The Priests




Olá dorameeeeeeeeeeeeeiros!



Final de semana batendo na porta e eu venho mais uma vez dar uma dica de filme para vocês poderem curtir no final de semana, ou quando quiserem, fica a critério de vocês, meu trabalho aqui é compartilhar tudo de bacana ou não que eu ando assistindo, até por isso, pode acontecer do blog ficar meio parado, pois eu preciso de tempo para assistir as coisas para depois vir recomendar aqui, mas por mais que eu demore, eu sempre volto.

Quem acompanha as minhas postagens há algum tempo aqui, sabe que minha inclinação é para o lado negro da força, as trevas, por mais que eu de vez em quando poste algo mais fofo, romântico e mais comédia, eu gosto mesmo é de um bom terror ou suspense, pode até ter romance ou comédia, como no caso do kdrama "Let's Fight Ghost", que estou assistindo no momento, mas dificilmente eu vejo algo focado nesses gêneros, eles geralmente vêm como bônus. Nessa minha vibe trevosa, trago hoje a vocês um dos melhores filmes de exorcismo que eu vi nos últimos tempos, e olha que eu como fã do gênero, já vi muita coisa, e posso afirmar que esse aqui tá na linha ou melhor do que o famoso "Exorcismo de Emily Rose" só pra vocês terem um parâmetro. Sem mais delongas, vamos à sinopse e aos meus comentários ;)





Sinopse: Uma estudante do ensino médio chamada Young Sin (Park So Dam), é atropelada por um carro durante à noite, logo ela passa a sofrer com com doenças misteriosas.
Padre Kim (Kim Yun Seok) conhece a estudante e vai visitá-la no hospital, ele está certo que ela foi possuída por espíritos demoníacos. Ele prepara para um exorcismo com a ajuda da Igreja Católica Sul Coreana, solicitando a ajuda de um diácono, mas todos eles fogem durante o exorcismo, o seminarista Choi (Kang Dong Won) é o 11° diácono escolhido para ser assistente do Padre Kim, eles têm apenas um dia para salvar a vida de Young Sin.(AsianWiki)

Elenco:


Print do AsianWiki



Informações Técnicas:


  • Título: The Priests / Black Priests 
  • Título romanizado : Geomeun Sajedeul
  • Hangul: 검은 사제들
  • Diretor: Jang Jae-Hyun
  • Roteirista: Jang Jae-Hyun
  • Produção: Baek Ji-Sun, Song Dae-Chan, Oh Hyo-Jin, Lee Yoo-Jin
  • Cinematografia: Go Nak-Sun
  • Lançamento: 5 de novembro de 2015
  • Duração: 108 min.
  • Gênero: Terror
  • Distribuidor: CJ Entertainment
  • Idioma: Coreano
  • País de origem: Coreia do Sul

Só pelo elenco, eu já daria crédito para o filme, Kang Dong Won (Haunters, Temptation of Wolves) Kim Yun Seok (The Chaser, Hwayi), Park So Dam (Beautiful Mind, The Silenced) entre outros atores maravilhosos, com certeza já era close certo.

The Priests é passado nos tempos atuais e conta a história Young Sin, uma estudante que estava internada em um hospital devido ao um atropelamento que aconteceu em circunstâncias estranhas, mais estranho ainda, foi o fato de que durante a sua internação, ela sofre queda de sei lá que andar, o que leva muitos a pensar que ela não estava batendo bem das ideias após o acidente. Padre Kim que já a conhecia antes, depois de alguns relatos, chega à conclusão que Young Sin está possuída por uma entidade maligna, aliás, não só uma, o que o leva a precisar de apoio de alguém para poder realizar o exorcismo. Como o caso é um tanto fora do que ele está acostumado, ele tenta sem sucesso receber o apoio de algum seminarista, e com o tempo está passando e a vida de Young Sin correndo risco, ele vai até um membro do alto escalão da Igreja Católica Sul Coreana e pede para ele selecionar, criteriosamente, um diácono destemido, sério e competente, e o seminarista Choi é recrutado para tal missão. 



De início, The Priests tem um tom de comédia, padre Kim não é tão tradicional assim, ele bebe além da conta e quebra vários protocolos de sua profissão, é um tanto grosso e debochado, uma pessoa difícil de se lidar. O seminarista Choi é um jovem que apesar de estar estudando para ser padre, ainda sucumbe as tentações do mundo exterior, vivendo como um jovem qualquer, e apesar de parecer destemido, seu passado traumático ainda o aprisiona. Os dois vão precisar superar as desavenças para poder tentar lutar contra uma força sobrenatural totalmente desconhecida e mais forte do que todas que eles já tiveram conhecimento.




 As atuações são espetaculares, em destaque para Park So Dam, The Priests foi o filme que a trouxe para o estrelato, pelo o qual ela ganhou um dos mais cobiçados prêmios do cinema coreano, o "Paeksang Arts Awards 2015" vencendo na categoria de atriz revelação, tava achando que ela apareceu em "Beautiful Mind" ao lado do Jang Hyuk do nada? A menina tem bagagem e estrada nos cinemas coreanos, estar no elenco de The Priests como personagem central, ao lado de duas das estrelas mais consagradas das telonas coreanas, Kang Dong Wan e Kim Yun Seok, com certeza foi o grande marco da carreira dela até agora, merece todo o destaque que ela está tendo neste ano de 2016. As cenas de Young Sin como possuída por entidades malignas são de alto impacto, eu nem pisquei vendo, a única coisa que eu pensava era que com o passar dos minutos estava ficando cada vez mais difícil para os dois religiosos salvá-la, quisá eles se salvarem. Como boa parte dos filmes de exorcismo, o demônio vasculha sua vida e joga tudo que tu fez de errado na sua cara, a vontade que dá é de sair correndo mesmo, não julgo os outros 10 diáconos que meteram o pé anteriormente kkkk




É um filme tenso com cenas fortes, é pra quem curte filme de terror mesmo, se você não é acostumado com o gênero, melhor passar longe, não tem possuído se contorcendo aqui não, a parada aqui é terror psicológico, sangue e desespero.




Nota: 8,5/10


Obs: Tem que fazer aquele lance de renomear a legenda e a raw(arquivo de vídeo) com o mesmo nome tudo dentro da mesma pasta, para quando abrir, o filme já abrir com a legenda, há outros métodos de colocar a legenda, mas para pessoas mais leigas, esse é o que mais funciona.


Espero que gostem da dica, por hoje vou ficando por aqui, em breve voltarei !



Doramas x machismo : Full House (2004, Kdrama)

Olá, dorameiras!


Para quem acompanha o blog, eu sou a Paty, amiga da Ana e desde o início do ano tenho assistido a doramas e eventualmente escrevo alguns pequenos textos sobre minha vida agora de dorameira e ela publica aqui.

Desde que assisti ao "Oh, My Venus!", eu descobri que comédia romântica não faz meu estilo nos doramas (vocês podem ler os comentários que fiz inclusive sobre esse dorama clicando na tag "Paty" aqui no blog) até por eu gostar de fazer maratona, os de ação, suspense se encaixam mais comigo.
Porém, eu havia terminado de assistir ao "Bridal Mask", cujo dorama foi o mais longo a que assisti (28 episódios). Conteúdo impecável, mas muita violência, então quis dar uma pausa no estilo e por acaso a Ana havia me falado do "Full House", favoritei e resolvi assistir. Assisti por ver na sinopse que seria mais leve e também porque me interessei pela "parte traseira" do Rain que a Ana me mostrou depois de eu elogiar a do Joo Won...rs Nós, dorameiras, observamos tudo, claro...rs
Dito isso, vamos à observação do Full House. CONTÉM SPOILER!




Sinopse:Estrelado por e , Han Ji Eun é uma roteirista ingênua que vive sozinha até ser enganada pelos seus melhores amigos que dizem que ela ganhou uma viagem All-inclusive para a China. Assim que ela parte, eles vendem todas as suas coisas e pegam o dinheiro para eles. No avião ela conhece Lee Young Jar, um ator figurão coreano. Quando ela percebe que está presa na China sem amigos e sem dinheiro ela é forçada a pedir a ajuda de Lee Young Jar para conseguir uma passagem de volta para casa. Assim que ela volta para a Coreia ela percebe que não tem mais uma casa para morar. Numa estranha reviravolta do destino, ela descobre que sua antiga casa foi comprada pelo homem que ela conheceu no avião, e ele está prestes a pedir a mão da melhor amiga dele Kang Hye Won em casamento. Mas a mídia faz com que pareça que Young Jae tem um relacionamento com Ji Eun. Agora ela pode ter sua casa de volta, se ela prometer se casar com Youn Jae por um ano! O relacionamento profissional deles começa a se tornar pessoal quando Young Jae percebe a si mesmo se importando cada vez mais com a encantadora garota que continua alegre apesar de todas as dificuldades de sua vida. (By DramaFever)

Full House e Lei Maria da Penha. Esse talvez devesse ser o título deste texto porque o que eu vi não foram 16 episódios de uma comédia romântica, mas, sim, 16 episódios de uma extrema violência psicológica de um rapaz para com uma moça. E relacionei à Lei Maria da Penha justamente por estar tão em voga o fato de ela ter completado dez anos. A Lei, conhecida como Maria da Penha, é a 11.340, de 7 de agosto de 2006 .

Jamais imaginei que um dorama que pensei em assistir para dar leveza a minha mente fosse me deixar tão angustiada. A personagem Han Ji Eun foi insultada, humilhada e ridicularizada aos berros pelo Lee Young Jae o tempo inteiro praticamente. De um extremo machismo. A moça depois das ofensas até o chamava de estúpido e idiota. Mas a grande diferença é que ele a humilhava "na alma", na autoestima, dizia que ela nunca ia servir para a profissão de roteirista, trabalho que a moça tinha tanto carinho em fazer, que ela não sabia pensar, que uma pessoa competente não ficaria ali horas no computador, mas faria aquilo rápido, dentre outras ofensas na autoestima.

Até mesmo quando ela só ficava como empregada dele, ainda havia o abuso de quando ele queria que ela ficasse ali com ele, mandava limpar mais de uma vez, dizia que continuava sujo, que ela não tinha capacidade de fazer uma comida decente. Não se trata assim uma empregada.
Quando os xingamentos ultrapassavam todos os limites e a moça se desesperava a chorar, aí ele parava um pouco, fazia uma gracinha, acalmava a situação e, quando parecia que ele havia aprendido a lição, voltavam as ofensas. Aliás, no nosso mundo real, é comum questionar: "Mas por que fulana não denunciou logo o companheiro? E como resposta a de que "achou que ele ia melhorar o comportamento". Mais ainda quando o abuso é emocional, porque chega a um ponto da mulher achar que é ela quem está errando, como houve passagens no dorama de a Ji Eun se achando culpada.
Sem contar a relação de posse. Quando o amigo se interessou por ela, ele tratava de desmarcar os encontros, inventar que a avó estava doente, tudo isso para impedi-la de ver o rapaz. E aí a tratava bem e quando já não tinha mais como remarcar nada, voltava a berrar com a moça.

Um dos momentos mais tensos para mim foi quando a Ji Eun esperou pelo Young Jae a noite toda acordada (porque ele ficou lá com a amiga), ele chegou, ofendeu-a tanto que ela acabou indo para a rua, ficou na chuva, ligou para o Yoo Min Hyuk (por não ter outra pessoa a ligar) e ele a ajudou. A moça adormeceu na sala depois de pegar chuva e de uma noite sem dormir e o Jae bateu na porta do Hyuk e a levou à força para casa e ela disse que era melhor ir. E ele ainda brigou com ela dizendo que não tinha nada que ter adormecido na casa de ninguém e ofendendo com os nomes de cérebro de galinha (sei que não o significado nosso), pássaro, etc.


Ele só a valorizou profissionalmente duas vezes: uma quando deu o gravador de presente de aniversário quando ela foi contratada pelo Hyuk e depois a festinha que ele fez quando foi contratada para fazer o roteiro. Só depois de alguém a valorizar.
Difícil eu conseguir enxergar uma comédia romântica nesse dorama. Sei que é uma gracinha e eu mesma poderia argumentar que era ciúme que ele tinha dela com o amigo, que ele gostava dela, mas não sabia como expressar, por isso a ofendia, ele não sabia ainda que a amava, mas que tudo ia dar certo no último episódio e eles iam ser felizes para sempre...Sim, eles se acertaram nos minutos finais do último episódio, mas felizes para sempre? Ou melhor: sem insultos para sempre? Duvido.
Enfim, dorameiras, não acreditem que xingamentos e insultos são saudáveis e que fazem parte de uma relação: não são saudáveis. Não pense que o rapaz um dia vai te enxergar e é por isso que ele não está te valorizando agora, porque no dorama você viu desse jeito e o final foi feliz. Não aceite. Desavenças entre casais existem sim, mas abuso emocional não pode existir!


Um grande abraço a todos!
Patrícia Matos



E MUITO OBRIGADA MAIS UMA VEZ PELA COLABORAÇÃO PATY!